DEBATE E ENCERRAMENTO DE OFICINA MARCAM PENÚLTIMO DIA DA MOSTRA TIRADENTES | SP 2018

A Mostra Tiradentes | SP entrou em sua reta final. Em cartaz no CineSesc (Rua Augusta, 2.075) desde o dia 15 de março, o evento do cinema brasileiro em São Paulo tem apresentado um panorama da cena nacional contemporânea em rica programação diária que inclui a exibição de filmes, encontros e bate-papos, ações formativas e debate. Debate, inclusive, muito aguardado. Ação periódica promovida pelo CineSesc, o Cinema da Vela edição especial Mostra Tiradentes | SP foi um dos grandes destaques do dia, que teve ainda o encerramento com entrega de certificado da oficina “Atuação no Cinema Realista”.

Tendo como tema “O Chamado Realista em São Paulo”, o debate Cinema da Vela foi promovido com o objetivo de dar sequência nas discussões iniciadas em janeiro, durante a 21ª Mostra Tiradentes, incorporando novas vozes e perspectivas. Com a participação dos jovens curta-metragistas paulistas Jéssica Queiroz e Rubens Passaro, o encontro foi mediado pela curadora Camila Vieira. Com destaque na programação na Mostra Tiradentes nos últimos anos, os filmes paulistas estão, em sua maioria, em sintonia com o Chamado Realista, mesmo que sejam diferentes em tom e em estilo. Na conversa, os cineastas comentaram se baseando em sua trajetória com o fazer fílmico e com a cidade, comentando sobre processo e estendendo a discussão para o momento social e político do país.

Antes do debate, o público pode conferir o trabalho dos diretores nos curtas “Peripatético” e “Universo Preto Paralelo”, direção de Jéssica Queiroz e de Rubens Passaro, respectivamente.  Os filmes integraram a sessão da Mostra Chamado Realista, que reúne obras produzidas no estado de São Paulo e dialoga diretamente com a temática desta edição. Completaram a seleção os títulos “Ainda se morre na fila do hospital”, de Lucas Guerra, e “Azul Vazante”, de Júlia Alquerés. Já na sequência, o público presente no CineSesc conferiu a terceira e derradeira série de curtas da Mostra Foco, com os filmes “Febre”, de João Marcos de Almeida e Sérgio Silva (SP); “Fantasia de Índio”, de Manuela Andrade (PE); e “Inconfissões”, de Ana Galizia (RJ).

Outro destaque do dia, a oficina “Atuação no Cinema Realista” ministrada pelo ator, diretor e professor Renan Rovida certificou 20 alunos, dentre atores e atrizes que estiveram presentes em quatro dias de aulas. Presente na programação da 21ª Mostra Tiradentes em Janeiro, a ação formativa repetiu o sucesso na itinerância paulista do evento: “Foi uma atividade excelente, com uma mistura equilibrada de teoria e prática e um excelente conteúdo pragmático”,  avalia a aluna e atriz Gabriela Garcia. “A ideia era despertar um pensamento para não esquecer das sutilezas, porque, na atuação no Cinema Realista, a riqueza está nos detalhes”, sintetiza o professor Renan Rovida.

A programação do dia foi encerrada pela exibição seguida de bate-papo do filme “Rebento”, de André Morais (PB). Um dos sete longas selecionados para a Mostra Aurora, o filme traz discussões sobre o feminino e maternidade. “É a segunda exibição pública deste filme em uma sala de cinema e estou muito feliz com a qualidade técnica oferecida. Fico muito feliz de ver o filme atravessando fronteiras, saindo da Paraíba. A possibilidade de atingir o público de outros estados com essa janela que a Mostra Tiradentes abre pra gente é maravilhoso”, comenta o diretor.

 HOMENAGEM E FILME PREMIADO SÃO DESTAQUES DO ÚLTIMO DIA

Hoje, 21/03, o público da capital paulista está convidado para conferir a Homenagem e entrega do Troféu Barroco a Ismail Xavier, que foi transferida para o encerramento após problemas com a rede elétrica do CineSesc que impediu a realização da abertura da Mostra Tiradentes | SP no dia 15/03. A entrada é gratuita e o início é às 20h30. Na sequência, o público confere a exibição seguida de bate-papo do filme “Inaudito”, de Gregorio Gananian (SP), vencedor da Mostra Olhos Livres eleito pelo Júri Jovem da 21 Mostra de Tiradentes.