O EVENTO DO CINEMA BRASILEIRO NA CAPITAL PAULISTA, EM SUA 7ª EDIÇÃO, AMPLIOU AS VOZES E OLHARES PARA OS CORPOS ADIANTE

A Mostra Tiradentes | SP 2019 apresentou a recente produção do cinema brasileiro e destacou filmes vencedores da edição mineira e produções paulistas

Na noite de ontem (03/04), a Mostra Tiradentes|SP chegou ao fim de sua 7ª edição, depois de uma semana de intensa programação no CineSesc. De 28 de março a 03 de abril, o evento,  que é uma realização da Universo Produção e do Sesc SP, apresentou 35 filmes (13 longas, um média e 21 curtas), 19 sessões de cinema, 10 bate-papos com realizadores, uma oficina e um debate conceitual. Norteada pela temática “Corpos Adiante”, a Mostra Tiradentes | SP reforçou mais uma vez seu compromisso com o audiovisual nacional, destacando a produção de São Paulo,  confirmando-se como o evento de cinema brasileiro na capital paulista.

“A Mostra Tiradentes | SP é uma mostra exclusiva para São Paulo, com uma curadoria especial feita para a capital paulista, e que vem apresentar a mais nova cinematografia nacional. Um momento muito especial para o nosso público, em que ele consegue dialogar com essas produções que estão nascendo no Brasil. É a possibilidade de enxergar como se faz o cinema de norte a sul do Brasil, suscitando discussões sobre o fazer audiovisual”, comenta o gerente geral do CineSesc, Gilson Parker.

HOMENAGEM À LUCIANA PAES - UMA ATRIZ SINGULAR

Como em 2018, a Mostra Tiradentes | SP elegeu um homenageado especialmente para a itinerância paulista do evento. Neste ano, a escolhida foi a atriz paulistana Luciana Paes, que recebeu o Troféu Barroco durante a cerimônia de abertura do evento. “A escolha da Luciana Paes surgiu com uma evidência dos últimos anos no cinema brasileiro, por ser uma atriz singular, por ter essa capacidade de envolver afetivamente a plateia, através do corpo, de um jogo muito emocional, e ao mesmo tempo de apresentar um jogo distanciado, de estar sempre comentando o personagem e o processo. É uma atriz que trabalha nessa confluência de registros, entre o afetivo e o distanciado”, explica o curador Pedro Maciel Guimarães.

Também integrou a homenagem a exibição de três filmes em que o papel de Luciana é destaque, rendendo-lhe, inclusive, alguns prêmios – o curta-metragem “A Mão Que Afaga”, de Gabriela Amaral Almeida (melhor atriz de curta-metragem no Festival de Brasília 2012), e os longas “Sinfonia Da Necrópole”, de Juliana Rojas e “O Animal Cordial” também dirigido por Gabriela Amaral Almeida (prêmio de melhor atriz no Fantaspoa 2018). “Ser a homenageada da Mostra Tiradentes | SP coroa os passos que foram dados até agora, mas também funciona como aquela estrelinha do professor na escola: é um incentivo para continuar o bom trabalho. Eu espero não decepcionar com as minhas escolhas daqui para frente”, celebra a atriz.

DE TIRADENTES PARA SP SEM ESCALAS: FILMES PREMIADOS E MOSTRAS COMPETITIVAS

Como destaque da programação em São Paulo, o público pôde conferir os filmes que fizeram bonito na 22ª Mostra Tiradentes e levaram o troféu Barroco para a casa nas diversas categorias da premiação. Além disso, as mostras competitivas “Aurora” (longas), e “Foco” (curtas), que foram avaliadas pelo júri da crítica da edição mineira, puderam ser conferidas na íntegra no evento paulista. As exibições se configuram como oportunidade ímpar para (re)ver filmes que muitas vezes estão apenas na segunda exibição pública e também para continuar as discussões iniciadas na 22ª Mostra, em janeiro. Os longas premiados e da Mostra Aurora, inclusive, foram acompanhados de bate-papos após a sessão, com a presença de diretores e equipe dos filmes.

“Estrear em Tiradentes e depois reverberar aqui em São Paulo é uma oportunidade da gente ampliar o diálogo e também de passar pela capital paulista, uma cidade que congrega tanta gente diferente, de várias partes dos país. O público que se coloca de forma diferente, então o filme vai se desdobrando de forma diferente. Eu acho isso muito interessante: a Mostra Tiradentes dando origem a outra Mostra, e uma nova visibilidade para o filme”,  destaca o diretor Arthur Lins, do longa da Mostra Aurora “Desvio”.

PRODUÇÕES PAULISTAS SÃO DESTAQUE

Na Mostra Tiradentes | SP, a cidade de São Paulo não é só um belo cenário, como grande protagonista. Dos 35 filmes exibidos no evento, 19 são realizações locais (6 longas e 13 curtas), incluindo obras apresentadas na 22ª Mostra Tiradentes e títulos selecionados especialmente para a itinerância. Além dos filmes distribuídos pelas demais mostra temáticas, duas seções são especialmente dedicadas à produção do estado: Mostra Paulista (longas) e Mostra Foco SP (curtas).

Diretor do filme “Copo Vazio”, que integrou a Mostra Paulista e encerrou a programação do evento em pré-estreia mundial, o diretor Dellani Lima comenta a oportunidade de exibir seu novo filme na Mostra: “Sempre uma janela é importante para qualquer realizador, porque é uma grande dificuldade conseguir um espaço de exibição e formar um público. Então, quando você tem uma Mostra que valoriza o cinema independente, autoral, de pensamento, é importante porque você consegue ter contato com o espectador que interessa pelo recorte do festival e também consegue exibir em uma sala que tem essa qualidade técnica, como o CineSesc”, reforça.

COMPROMISSO COM A FORMAÇÃO AUDIOVISUAL

Promover ações de formação é um dos pilares da programação das edições da Mostra de Cinema de Tiradentes, que renova anualmente seu compromisso com o desenvolvimento da indústria audiovisual em Minas Gerais e no Brasil. Na Mostra Tiradentes | SP 2019, foi promovida uma oficina, encontros, bate-papos e debate que completaram a experiência cinematográfica do público no CineSesc, promovendo a formação e capacitação de alunos e discussões instigantes sobre o produto e o fazer audiovisual.

Instrutor da oficina “Introdução a Práticas Audiovisuais Multiplataforma”, Gustavo Padovani comentou a iniciativa: “Foi muito gratificante dar essa oficina, especificamente porque SP tem uma aglutinação de profissionais que têm uma experiência bacana, com perfil variado, profissionais de mídia, desenvolvedores de software e até advogados, cada um contribuindo com sua vivência. Essa troca possibilitada pela Mostra foi muito interessante”.

Considerando a temática e as urgências que a cercam, a Mostra Tiradentes | SP propôs como parte da programação o debate “Cinema da Vela - Corpos Adiante: Coletivos e Corpos em Risco”, que deu continuidade à reflexão sobre os corpos no cinema contemporâneo brasileiro, a partir de suas presenças físicas, seus modos de afirmação e suas possibilidades de criação para o futuro. Com mediação da curadora Camila Vieira e participação dos realizadores Ariel Nobre, Cris Lyra e Maria Fanchin e da equipe dos filmes, o encontro foi rico momento de troca sobre o fazer cinematográfico e representatividade. Durante o encontro, diretora Maria Fanchin, de “Quando Elas Cantam” sintetizou: "O filme pode colaborar como lugar de reflexão, como a arte tem que ser".

SOBRE A MOSTRA TIRADENTES |SP

Realizada pela Universo Produção e pelo do Sesc SP, a Mostra Tiradentes |SP tem o propósito de ampliar as possibilidades de formação, reflexão, exibição e difusão do cinema brasileiro contemporâneo. De 28 de março a 03 de abril, o público pôde conferir lançamentos e novidades do cinema nacional em longas e curtas, compartilhar conteúdos e reflexões com a presença de profissionais de vários estados do país, participar de debates, ações de formação e discutir os processos audiovisuais de criação.